As infeções do aparelho respiratório

As infeções respiratórias são muito comuns nos meses mais frios do ano. Todos nós já sofremos com uma constipação ou uma gripe no inverno. No entanto, também podem acontecer outras complicações mais graves, embora menos frequentemente. Em Portugal, as doenças respiratórias são a terceira mais importante causa de custos diretos relacionados com os internamentos hospitalares, a seguir às doenças cardiovasculares e do sistema nervoso. Estima-se que anualmente as infeções respiratórias afetem 800 mil doentes, sendo 150 mil das quais casos de pneumonia.

É nos meses mais frios que as pessoas passam mais tempo em ambientes fechados, o que permite que os vírus, ou outros agentes infeciosos, sejam transmitidos facilmente. E o frio pode também afetar a resistência a estes agentes infeciosos. Os sintomas destas infeções respiratórias podem originar incapacidade nos doentes, baixando o seu rendimento e produtividade, levando a que muitas vezes fiquem em casa, ou que recorram às urgências dos hospitais e clínicas nos casos mais graves.

Estas infeções ocorrem quando uma parte do aparelho respiratório é infetada por um vírus, por uma bactéria, ou até por outros microrganismos. As infeções podem afetar todas as partes do aparelho respiratório, sendo agrupadas em dois grupos principais consoante a sua sintomatologia e local onde ocorre: infeções que afetam o aparelho respiratório superior e as que infetam o aparelho respiratório inferior. Nas infeções respiratórias superiores, o agente infecioso é normalmente um vírus, enquanto que nas infeções respiratórias do aparelho respiratório inferior os agentes infeciosos são habitualmente vírus ou bactérias.

Exemplos de infeções respiratórias

Exemplos de infeções respiratórias superiores incluem a constipação, a sinusite e a otite. Nas infeções respiratórias inferiores temos, por exemplo, a bronquite e a pneumonia. Sendo estas doenças tão prevalentes e com um elevado impacto na saúde dos doentes, é importante perceber como se podem manifestar e como se pode prevenir.

Constipação

Constipação

A constipação é a forma mais prevalente das infeções respiratórias. Esta é normalmente causada por um vírus, sendo o mais comum o rinovírus, que tem mais de 100 serotipos. Os vírus parecem atuar através da invasão direta das células epiteliais da mucosa. Os sintomas associados incluem corrimento nasal, obstrução, espirros ou mesmo tosse. O aparecimento de febre é raro. Nesta situação, o repouso, a ingestão de líquidos, inalação de vapor de água ou mesmo o recurso a medicamentos, através de indicação de médica, são recomendados.

Sinusite

Sinusite

Não sendo uma doença apenas relacionada com o tempo frio, a sinusite é caraterizada por uma inflamação dos seios perinasais – as cavidades localizadas junto ao nariz onde se acumulam secreções nasais. Estas infeções podem ser causadas por vírus ou por bactérias, levando a um aumento da produção das secreções das mucosas, causando assim o entupimento do nariz, dificuldade em respirar, dores em algumas partes do rosto, sensação de peso nos olhos e na cabeça e até mesmo febre.

Otite

Otite

Uma outra infeção respiratória superior importante de mencionar é a otite, especialmente frequente nas crianças entre os seis meses e os dois anos. As otites são caracterizadas pela inflamação em uma das regiões do ouvido, e podem resultar, entre outras causas, de uma infeção por bactérias, tais como a Pseudomonas aeruginosa, ou mesmo por vírus que possam causar outras infeções respiratórias superiores. A sintomatologia mais frequente inclui dores de ouvido, sensação de ouvido tapado e febre.

Gripe

Gripe

A gripe é uma infeção respiratória também causada por vírus, e que muitas vezes é confundida com a constipação. No entanto, esta infeção respiratória é causada por um vírus mais agressivo, logo os sintomas gripais aparecem, habitualmente, mais cedo que na constipação. Esta infeção respiratória é caraterizada por uma inflamação dos alvéolos pulmonares, os pequenos sacos de ar localizados nas extremidades dos brônquios. Nos adultos, esta infeção manifesta-se, normalmente, através de mal-estar e cansaço, febre alta, dores de cabeça e/ou musculares, tosse seca. A gripe é considerada uma infeção comum, mas é importante mencionar que esta infeção pode evoluir para patologias mais graves, tais como a pneumonia.

Bronquite

Bronquite

A bronquite é caraterizada por uma inflamação dos brônquios, as principais vias dos pulmões, e é normalmente precedida por uma infeção do aparelho respiratória superior. A causa mais comum são os vírus respiratórios, sendo também o consumo de tabaco a principal causa de bronquite crónica. Os principais sintomas desta patologia são a tosse constante, mucopurulenta e a falta de ar. Por outro lado, temos a bronquiolite, também caraterizada por uma inflamação das vias respiratórias inferiores, mas que é causada pelo vírus sincicial respiratório. Este vírus apresenta um pico de circulação nos meses de outono e inverno, nas regiões de clima temperado do qual Portugal é exemplo. À semelhança da otite, esta infeção respiratória é bastante comum nas crianças com menos de dois anos.

Pneumonia

Pneumonia

Finalmente, a pneumonia é uma infeção respiratória que afeta o parênquima dos pulmões. O agente infecioso mais comum é a bactéria Streptococcus pneumoniae. São conhecidos mais de 80 serotipos, no entanto apenas 23 são responsáveis por mais de 90% dos casos de pneumonia pneumocócica nos Estados Unidos. Outros agentes podem causa pneumonias, tais como Pseudomonas aeruginosa e Mycobacterium tuberculosis. Esta infeção surge normalmente quando as defesas dos pulmões estão comprometidas, e inclui variados sintomas tais como a tosse, as dores no peito, a febre e a dificuldade em respirar. Dependendo dos organismos causadores da infeção e da idade do doente, pode surgir também dores de cabeça, náuseas ou diarreia, entre outros.

Todas estas infeções respiratórias, desde as mais frequentes às mais raras, podem ter consequências graves para o doente quando não tratadas. Mesmo no caso das infeções mais comuns, como a gripe, quando não tratadas podem dar origem a complicações de saúde severas podendo levar à morte. A título de exemplo, as pneumonias são a terceira causa de mortalidade humana. Assim, é importante que todos nós minimizemos o risco desenvolver uma infeção respiratória através da prevenção. Deixamos aqui alguns cuidados a ter para a sua proteção e dos que o rodeiam:

• Se tiver uma infeção respiratória que possa ser transmitida pelo ar, tape sempre o nariz e boca com um lenço quando espirrar, evitando assim o contágio das pessoas à sua volta.

• A lavagem regular das mãos, com sabão ou com gel desinfetante, pode evitar que ao tocar no nariz, olhos ou boca esteja a introduzir algum agente infecioso.• Em público, ao tocar num objeto que seja usado por mais pessoas, desinfete as mãos com um produto desinfetante.

• Ambientes poluídos, e mesmo o tabaco, podem estar na origem ou agravar de uma infeção respiratória.

• Limpe e aspire a casa regularmente e evite o uso de tapetes, ou alcatifas densas, onde seja fácil a acumulação de pó.

• No caso de ter mais do que 65 anos, ou mesmo se é doente crónico, informe-se sobre as terapêuticas que podem ajudar nos processos infeciosos do trato respiratório.

Tem dúvidas ou questões sobre como antecipar o Inverno?

Fale com o seu médico ou envie-nos um e-mail para info@antecipeoinverno.pt

R. da Indústria, 2 – Quinta Grande, Amadora • Lisboa – Portugal | mailbox_lisboa@viforpharma.com • Tel +351 21 470 85 00 • Fax +351 21 470 85 06
Cont. nº 500 207 410 • Capital Social 5.000.000€ • Cons. Reg. Amadora nº 452

Esta informação não dispensa a consulta com o seu médico. Não tome medicamentos que não lhe tenham sido prescritos pelo seu médico para o tratamento das infeções respiratórias. Um medicamento que resultou num seu conhecido pode não ser adequado para tratar o seu problema. Caso esteja em tratamento, não o interrompa sem falar primeiro com o seu médico, mesmo em situações em que desapareceram as queixas e os sintomas. PT-NA-2000011

Comece a digitar e pressione Enter para pesquisar